quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Diário de Débora :: Tem uma barriga crescendo aqui!

Oi gentemmm, como estão?

Eu estou ótima! Na correria pra terminar o semestre da faculdade, de mudança pra Recife, procurando apartamento pra alugar lá, escola pras crianças, vender minha casa e coisas que não vou usar no apartamento novo... vixiiiiiii,  tô ficando doidinha... Mas um doidinha gostoso, com friozinho na barriga e sensação de liberdade!

Retomando de onde paramos: A Maria Vitória, ela nasceu em julho de 2009, depois de eu terminar a Pós. Vou aproveitar este post para contar um pouco como foi a gestação.


Minha experiência foi maravilhosa e desafiadora por isso gostaria de compartilhar com vocês: Descobri que estava grávida no segundo dia que atrasou a menstruação, pois sempre fui muito regulada. Detalhe que eu estava jogando futebol para a Embraer, aqui de São José dos Campos, tive que parar, lógico, mas com muita tristeza. Depois de uns dias fiz o exame de sangue e a surpresa foi indescritível! Uma sensação inexplicável de satisfação com nervosismo. A família ficou muito feliz, primeira neta dos dois lados e primeira bisneta dos dois lados, imaginem?

A gestação foi tranquila, nos 3 primeiros meses apenas não conseguia comer carne vermelha. Depois lá pras 17-18 semanas comecei a sentir umas contrações, mas imaginei que fossem as Braxton-Hicks, uma espécie de contração de treinamento (saiba mais sobre essas contrações aqui).
Porém, minha médica achou que eram contrações prematuras, me deixou de repouso e me medicou em casa. Durante a gravidez toda tive essas contrações, mas fui em outro médico e ele disse que eram contrações de treinamento e que eu não precisava me preocupar. Sendo assim, segui com a gestação normalmente fazendo de tudo que fazia e foi ótima.

Quando eu estava de 38 semanas e 4 dias eu senti uma contração mais forte umas 5h da manhã. Disse ao marido, mas ele não acreditou muito em mim (Rs!). As contrações começaram a vir mais fortes e mais vezes durante o dia, mas super suportável, até que depois do almoço eu perdi o tampão (muco que protege o colo do útero durante a gestação). Arrumei a mala da Maria Vitória e a minha e decidi pedir ao marido pra me levar ao hospital pois queria saber se estava dilatando e teria chance de ser parto normal. No hospital fui examinada, verificaram a frequência cardíaca do bebe enquanto eu tinha as contrações e ligaram pra minha médica. Fiquei sabendo que tinha tudo pra ser normal, que Maria Vitória estava bem durante as contrações e, a principal notícia, que "minha médica estava no Rio de Janeiro e não poderia fazer meu parto"  #Choque Heloooooooooo, e aí????.

No próximo post eu conto como tudo aconteceu!!!!! Rsssss aguentem aí!!!


Nenhum comentário:

Postar um comentário