sexta-feira, 17 de julho de 2015

Diário de Débora :: O Dilema da Escola


Olá pessoal, no post anterior falei da Mavi com um aninho, coloquei a gatinha na escolinha e quero falar um pouco mais sobre isso já que sempre fui totalmente contra colocar as crianças pra estudar antes de 2 anos com mães que ficam em casa.

A princesinha sempre foi bem agitada, alegre, interessada, espontânea, criativa e carinhosa e o que mais se sobressaía era a agitação, mas nada que não pudesse ser canalizado, porém eu não tinha capacidade pra isso. Sou mãe e enfermeira, mas não estudei pra suprir a necessidade das crianças nesse período, especialmente a minha princesa que precisava de atividades a cada 10 minutos hehehehe

Tínhamos uma rotina diária: acordar umas 7:00 e tomar café, assistir um pouco de televisão (cerca de 30 min - Baby Einstein, Hi-5, Backyardigans). Engraçado que era a única coisa que ela ficava 30 minutos prestando a atenção! Descíamos no parquinho, praça, piscina ou brinquedoteca (se estivesse chovendo), voltava para fazer almoço enquanto ela brincava na cozinha ou me ajudava (quando já estava com um aninho), almoço, cochilo da tarde (cerca de 1 a 2 horas). A tarde tinha: lanche da tarde, brincar de pintar com giz, lápis, atividades de montar, passear na praça, parquinho ou onde eu precisasse ir. Chegamos no perído da noite: preparar jantar depois que marido chegava pra ajudar, janta, brincar no quarto ou na sala nós três e finalmente dormir.
Essa rotina eu consegui levar bem até um ano e ficaria com ela - certamente - se fosse um pouco mais centrada, calma e dormisse mais durante o dia. O problema era que eu não utilizava muitas atividades manuais com tinta, massinha, por morar em apartamento alugado e ela não convivia com outras crianças, já que no prédio nem sempre cruzava com outros pequenos no mesmo horário que eu descia. POR ISSO decidi colocá-la no berçário meio período (de manhã já que ela acordava cedo) em um lugar que achei super legal e parecido com uma fazenda: tinha animais, horta, 3 parquinhos e bastante espaço.
Ela adorou e simplesmente nunca chorou pra ficar, sempre acordava feliz porque ia ver as amiguinhas. Amadureceu rápido, desenvolveu habilidades motoras super bem e se relacionava com as outras crianças como se fosse uma mocinha. 

Desconfiávamos que ela seria canhota já que escrevia e pintava com a mão esquerda, coisa que se afirmou depois de uns anos. Tive minha confirmação de que ela necessitava dessas atividades na escola quando senti que ao voltar pra casa, ela ficava mais calma e conseguia se concentrar nas brincadeiras e atividades no quarto, às vezes sozinha, outras comigo e o pai. Por isso, hoje, não julgo quem recorre à ajuda da escola com crianças dessa idade ou menos (necessidade de voltar a trabalhar). O importante é escolher um local em que você confie e lhe dê segurança para deixar seu filho. Pesquise!

Beijos e até breve!


Nenhum comentário:

Postar um comentário