quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Diário de Débora :: Adaptação #SQN


Oi Pessoal!
Prontos pra saber como foram as minhas primeiras impressões daqui de Recife?

Chegamos dia 07/01/2015, pro apartamento que o maridão havia conseguido. Assim que entramos, a empregada doméstica que eu havia  contratado por telefone em novembro também chegou (ela era nora de uma senhora que trabalhava em um dos apartamentos que tentei alugar perto das escolas do bairro de boa viagem).

As caixas já haviam chegado, o carro estava pra chegar e, junto comigo e as crianças  vieram duas pessoas da minha familia: minha tia canadense Gracinha e minha prima Maria Julia. Elas foram essenciais no processo de organização aqui de casa, me ajudaram muito com as coisas e as crianças!
Depois de uns dois dias de arrumação e organização, comecei a procurar escolas pra Mavi e concluir meu processo de transferência da facul (que havia começado pela internet). Como as nossas aulas só começavam no início de fevereiro, percebi que tinha mais tempo pra curtir a família e conhecer a região. 

Nesses 10 dias que elas ficaram por aqui, conhecemos a praia de Boa Viagem, fomos para Olinda e Porto de Galinhas.
Amei todos os lugares: a praia de Boa Viagem é super longa - quase 7km de extensão - rodeada de arrecifes que formam as piscinas naturais. Eu achei bem encantadora e a cor do mar é hipnotizante, um verde água com parte azul turquesa espetacular. 
As mesmas cores foram vistas no mar de Porto de Galinhas, que fica na cidade de Ipojuca.
Lá também é bem famoso pelos passeios pelas piscinas naturais em mar aberto, show de bola
Olinda é uma aula de história a parte. Além da beleza estonteante da vista do alto da Sé, tem as várias igrejas com arquiteturas diferentes, cada uma de acordo com a influência de seus colonizadores: portugueses ou holandeses. Vimos onde os bonecos de Olinda são feitos e passeamos bastante pelas  ladeiras bem íngremes. Os restaurantes regionais são famosos por lá e conhecemos o Oficina do Sabor, que super recomendo. 

As primeiras impressões que tive de Recife em si não foram muito boas, sendo que posso citar umas 4 de cara: 
1. Odor desagradável (depois descobri que é por causa do mangue);2. Infraestrutura péssima para pedestres, incluindo falta de semáforos e faixas para transeuntes, iluminação ruim e calçadas esburacadas e, na maioria das vezes, sem concreto, na terra mesmo, dificultando bastante passeios com o carrinho do baby (imagino pra cadeira de rodas);3. Preços dos alimentos altíssimos (comparando com Jacareí-SP, que era onde eu morava) com a mesma qualidade; 4. Motoristas de carro loucos no trânsito, mas malucos mesmo, tipo buzinar pra você, pedestre, atravessando em uma faixa sem semáforo num cruzamento duplo, como se a preferência não fosse sua, fora contra-mão que não existe pra eles, seta, faixas na pista, etc, tudo o que uma capital mal educada possui. 
E isso tudo era novidade pra mim! Demorei uns 3-4 meses pra me adaptar ao jeito recifense de ser, além dos problemas com os motoristas que citei, ainda senti que as pessoas são bem fechadas e as vezes até frios. Não tive receptividade no meu prédio nos primeiros meses, na verdade não somos íntimos de ninguém até hoje =(

Isso foi uma parte bem difícil pra mim, que sou super falante, carente e ativa!

No próximo post conto como iniciamos as nossas atividades por aqui. 

Beijos, e até o próximo post!


Nenhum comentário:

Postar um comentário